Segunda-feira, 16 de maio de 2022

Espaço Diretoria

A USO AGONIZA

Hoje é preocupante verificar a situação do descaso com a saúde dos servidores em que a USO se encontra.

Antes da terceirização da maioria dos serviços prestados pela Unidade de Saúde Ocupacional, quando ainda se realizavam exames periódicos de manutenção da saúde dos servidores e não só perícias ou exames admissionais como agora, o atendimento era na UBS da Topolândia, local apropriado para a prestação de serviços de saúde, contava com estrutura predial adequada e critérios organizacionais de agendamentos que não causavam transtorno nem desrespeito aos usuários do serviço.

Neste tempo em que a maioria do serviço foi privatizado, estamos em plena pandemia e sob situação de aglomeração, numa mostra de falta de respeito e cuidados sanitários com os atendidos na Unidade, cujas instalações atuais são insatisfatórias para manter o atendimento de antes aos servidores.

Há pouco foi flagrada a situação de docentes celetistas, que saiam de atribuição de aulas na Seduc e presentes na USO aos montes, para a realização de exames pra contratação, pois chamaram centenas de candidatos para a contratação, conforme informações. Sem a estrutura mínima para abrigar o volume de candidatos naquele dia, estes foram orientados a esperar em fila do lado de fora, onde não havia nenhum indicativo para o distanciamento físico, nem acomodações para a espera. Reflexo de um descaso total com os atendidos!

A USO agoniza!

Servidores esperando nas proximidades, do lado de fora da Unidade de Saúde Ocupacional, encostados ou agachados do outro lado da rua, sem uma coordenação que organizasse o agendamento de senhas, com horário determinado e respeitado, pois se passava muito tempo de espera, sem nenhum mínimo de condições estruturais onde os servidores pudessem aguardar de modo indefinido seu atendimento. Situação crítica de funcionamento!

Não se pode acreditar que esse modo insatisfatório de atendimento nas dependências da USO seja apropriado à prestar os serviços a que se propõe, salvo a atitude das enfermeiras que sem as condições adequadas, ainda se empenham em realizar o trabalho. Porém as péssimas condições da Unidade são fatores que merecem a atenção da municipalidade, pois é o setor que deve tratar a saúde dos servidores, e carece ser estruturado para este fim.

Patrícia Artuza

Diretoria Sindserv

<